28 de abr de 2017

Supertelescópio irá mapear o céu para desvendar mistérios do Universo


(FAPERJ) "Há mais mistérios entre o céu e a terra do que a vã filosofia dos homens possa imaginar", já disse, uma vez, o escritor inglês, William Shakespeare (1564-1616). E é exatamente no céu, mais precisamente no Universo, que cientistas ao redor do mundo buscam desvendar o desconhecido. Para isso, a Fundação Nacional de Ciência dos EUA (NSF, na sigla em inglês), em parceria com o Departamento de Energia e diversas instituições privadas daquele país, está construindo o Large Synoptic Survey Telescope ou Telescópio de Levantamento Sinóptico (LSST), um supertelescópio que irá mapear o céu do Hemisfério Sul por um período de 10 anos. Ele será montado em Cerro Pachón, uma montanha próxima à cidade de Vicuña, no norte do Chile, na Cordilheira dos Andes.

Com diâmetro de 8,4 metros, o LSST começará a funcionar na próxima década. Sua câmera, que consiste de um mosaico com 3.2 bilhões de pixels, a cada exposição, cobrirá uma área correspondente a 40 vezes o tamanho da Lua cheia; em apenas três dias, estudará o trecho de céu para o qual estiver disponível, possibilitando que todos os eventos que acontecerem – desde a passagem de um cometa até a expansão do Universo atribuída à energia escura –, sejam observados. A cada noite, serão coletados 15 terabytes de dados que serão transmitidos para diferentes centros de pesquisa para redução e análise. Após a redução dos dados, serão produzidos mais de 30 terabytes de informações, algo equivalente a aproximadamente 600 mil músicas digitais ou perto de 22 mil filmes digitais com duração de 1h30 e qualidade de DVD.

O Brasil tomará parte no projeto por meio do Laboratório Interinstitucional de e-Astronomia (LIneA). De acordo com o astrofísico Luiz Nicolaci, coordenador do LIneA, o laboratório será o responsável por armazenar essa enorme quantidade de dados que o LSST vai gerar e disponibilizar para os brasileiros participantes do projeto. “Esse sistema será um poderoso coletor de luz óptico. E a velocidade de suas observações fornecerá aos astrônomos, pela primeira vez, uma visão dinâmica do Universo, em que variações de posição ou de fluxo serão registradas. Estima-se que o LSST gerará cerca de 10 milhões de alertas de eventos transientes a cada noite, que deverão ser classificados e os casos mais interessantes observados em outros telescópios.

Ao término de 10 anos, o levantamento obterá informações sobre 37 bilhões de estrelas e galáxias, explorando um volume de espaço sem precedentes”, explica Nicolaci. “Este projeto representa um grande desafio na área da Tecnologia de Informação, para gerenciar a transferência, processamento, armazenamento, análise e exploração científica da grande quantidade de dados que será gerada de forma ininterrupta”, complementa o astrofísico. Para esse desafio, o laboratório contou com o apoio da FAPERJ, por meio de diversos editais, entre eles, Apoio às Instituições de Ensino e Pesquisa Sediadas no Estado do Rio de Janeiro; Apoio a Núcleos de Excelência - Pronex; e Cientista do Nosso Estado, que ajudaram, inclusive, na compra de equipamentos para armazenamentos de dados.

Para Nicolaci, a participação do Brasil em um projeto dessa natureza representa um grande salto para os pesquisadores brasileiros, principalmente no que diz respeito ao entendimento da natureza da energia escura, fenômeno que ainda não é bem compreendido, e que seria responsável pela aceleração na expansão do Universo. “Repetindo a história de outros importantes momentos singulares, o LSST será um marco sem precedentes para a astronomia”, explica. Recentemente, um primeiro grupo de cinco pesquisadores brasileiros sêniores, cada qual podendo indicar quatro pesquisadores juniores, pôde entrar no projeto após a convocatória de um edital público. Nas negociações que viabilizaram este acordo, a Astronomia foi representada pelo diretor do Laboratório Nacional de Astrofísica (LNA), Bruno Castilho, e por Nicolaci, que ficaram responsáveis pelo processo de seleção dos membros do grupo de participação brasileira no LSST (denominado pela sigla em inglês BPG-LSST).

O LIneA – laboratório interinstitucional apoiado pelo Observatório Nacional (ON), pelo Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC) e pela Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP) – foi criado com a finalidade de dar suporte à participação brasileira em levantamentos astronômicos geradores de grandes volumes de dados e também apoia outros projetos similares, entre eles, o Levantamento da Energia Escura (DES), o Levantamento Digital do Céu Sloan (SDSS) e, mais recentemente, o Telescópio de Levantamento Sinóptico (LSST) e o DESI (Dark Energy Spectroscopic Instrument).

A inovadora experiência na forma de atuar do LIneA culminou com a aprovação de um projeto no programa Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia (INCT) do e-Universo. Mais informações sobre estes projetos podem ser obtidas em www.linea.gov.br .

Céus de Nova Friburgo


27 de abr de 2017

Mensageiro Sideral - Conheça o asteroide que desafia Júpiter para um baile fatal

Teatro de Graça no Museu de Astronomia


No próximo sábado, 29 de abril, às 16h, o Museu de Astronomia e Ciências Afins (MAST) promove a peça teatral "Perséfone: Rainha do Submundo". Crianças e adultos estão convidados a conhecer os segredos da deusa grega das ervas, flores, frutos e perfumes. O MAST fica na Rua General Bruce, 586, São Cristóvão, RJ. A entrada é gratuita.

Filha de Zeus, Perséfone foi criada no Olimpo, lar da nobreza divina. Certa ocasião, foi sequestrada por seu tio Hades e passou a viver no mundo inferior. Socorrida por seu meio-irmão Hermes, passou a morar metade do ano no Olimpo, nas estações da primavera e verão, e outra no mundo dos mortos, nas estações de outono e inverno

Uma vez por mês, o grupo "Contando Mitos" se apresenta no MAST, sempre com divertidas esquetes teatrais sobre mitos construídos ao longo da história da humanidade. O objetivo é, por meio da arte, apresentar conceitos relacionados com a astronomia, física e outras ciências.

Ainda no sábado, a partir das 18h, acontece a Observação do Céu. Em uma luneta construída no início do século XX, o público irá observar planetas, estrelas e outros fenômenos estudados pela astronomia. Promovida desde 1985, a observação do céu está entre as atrações mais populares do MAST.

Tesouros da Ciência

No dia 3 de maio, às 14h, MAST disponibiliza ao público dois mil livros do acervo da Academia Brasileira de Ciências. Entre os destaques está obra com anotações a mão feitas pelo poeta Manuel Bandeira.



Responsável desde 2015 pela guarda do acervo bibliográfico da Academia Brasileira de Ciências (ABC), o Museu de Astronomia e Ciências Afins (MAST) vai disponibilizar ao público, no dia 3 de maio, os primeiros dois mil livros já catalogados da coleção. Entre os destaques estão obras com anotações a mão feitas por importantes cientistas e escritores, como o poeta Manuel Bandeira e o físico Joaquim da Costa Ribeiro. As raridades estarão expostas no evento de lançamento, que acontece a partir das 14h, na Biblioteca do Museu. O MAST fica na Rua General Bruce, 586, em São Cristóvão. A entrada é gratuita.

Durante o trabalho de processamento técnico realizado pelo Museu, foi encontrado um curioso exemplar do livro Cours D'Analyse, da École Polytechnique, célebre escola de engenharia francesa. Além de importância científica, os organizadores descobriram que a publicação, lançada em 1868, possuía valor simbólico, pois havia pertencido à Manuel Bandeira, na juventude estudante de engenharia. Há na obra diversas anotações escritas à mão pelo poeta, o que a torna um exemplar único.

Outro tesouro estava escondido no livro Principles of Nuclear Engineering, de Samuel Glasstone, 1955. Dentro da publicação havia cartas que foram trocadas entre o físico Joaquim da Costa Ribeiro, dono do exemplar, e o cientista americano Donald Kallman. "São obras singulares que teremos muito prazer em disponibilizar ao público", afirma Eloísa Almeida, chefe da Biblioteca do MAST. A coleção também poderá ser consultada no site do MAST, na base de dados da biblioteca.

No total, o acervo da ABC conta com 14 mil volumes. "São ao menos 400 obras raras da história da ciência nacional. Com a guarda dessa coleção, o MAST é hoje detentor de um dos maiores acervos brasileiros de publicações científicas consideradas históricas, senão o maior", explica Heloisa Bertol, diretora do MAST. A cerimônia de lançamento da primeira parte do acervo bibliográfico acontece no dia do aniversário da ABC e é uma homenagem do Museu de Astronomia aos 101 da instituição.

26 de abr de 2017

Planetário de Londrina - sessões abertas ao público


Noite de Observação - Boa Vista/RR


CEAMIG - Curso "Astronomia Básica" - Belo Horizonte/MG


25 de abr de 2017

Grupo de Astronomia SAMPA da USP lança vaquinha para reuniões científicas

Financiamento coletivo para participação em reuniões científicas do grupo de Astronomia SAMPA da Universidade de São Paulo.




Devido aos recentes cortes orçamentários do Governo Federal do Brasil, o suporte financeiro para viagens de estudantes de pós-graduação em reuniões científicas tem diminuído drasticamente. Os jovens astrônomos dependem de reuniões para discutir resultados e novas ideias, divulgar seus trabalhos e encontrar possíveis colaboradores brasileiros e estrangeiros, tornando sua pesquisa mais competitiva mundialmente.

O grupo de pesquisa SAMPA (Stellar Atmospheres, Planets and Abundances) liderado pelo Prof. Jorge Meléndez (IAG/USP), desenvolve pesquisas de ponta no estudo de exoplanetas, estrelas e a Galáxia. Dentre nossas recentes descobertas, está a identificação do primeiro planeta gêmeo de Júpiter orbitando uma estrela gêmea do Sol.

Como a participação em congressos é fundamental, nós estamos fazendo uma campanha de financiamento coletivo para arrecadar fundos para as viagens dos estudantes do grupo. A campanha está sendo coordenada pelos pesquisadores Leonardo dos Santos, Diego Lorenzo de Oliveira e Marília Carlos, membros do SAMPA, através do site:

https://www.vakinha.com.br/vaquinha/ajude-o-grupo-sampa-na-participacao-em-reunioes-cientificas

Maiores informações sobre o grupo em:
http://www.astro.iag.usp.br/~sampa/
https://www.facebook.com/sampaiag/

Encontro com a História - Museu de Astronomia e Ciências Afins - Rio de Janeiro/RJ